IPPES comemora um ano

Por Caio Brasil e Kathlen Barbosa,
Jornalistas e pesquisadores do IPPES.


Há exato um ano as sócias fundadoras Dayse Miranda, Kátia Sodré e Verônica Szuster cortavam a faixa que simbolizava a inauguração do Instituto de Pesquisa, Prevenção e Estudos em Suicídio (IPPES). Aquele simples gesto representava a fundação do primeiro centro voltado exclusivamente à pesquisa e ensino no campo do suicídio no Rio de Janeiro, com o intuito de fomentar políticas e ações de prevenção e posvenção. A entidade independente e sem fins lucrativos foi inaugurada no dia 3 de março de 2020.

Em ano marcado pela quarentena, o IPPES precisou fechar as portas da sede recém inaugurada e se reinventar. Apropriando-se do espaço online, o Instituto pôde contornar as adversidades e se consolidar. “Ele foi inaugurado dias antes da pandemia, o que nos fez mobilizar muito mais esforços para manter o trabalho e o nosso ideal vivo dentro de nós. Sem esse ideal, tenho certeza que não teríamos envolvido tantas pessoas comprometidas com a valorização da vida.  O Instituto nasceu em um momento em que o fez mostrar sua relevância”, comenta a socióloga e presidente do IPPES, Dayse Miranda.

Mesmo com todos os obstáculos, no primeiro ano o IPPES ofereceu 14 cursos livres, recebendo uma centena de alunos, somou 60 novos associados, organizou 22 eventos online, formou a primeira turma da Capacitação em Suicidologia, Prevenção, Posvenção e Políticas Públicas, publicou o Boletim de Notificação de Mortes Violentas Intencionais e Tentativas de Suicídios na Segurança Pública no Brasil e muito mais.

Entre 2007 e 2017, o Brasil registrou aumento de 41% dos casos de suicídio, de acordo com o Ministério da Saúde. Segundo a Organização Mundial da Saúde, enquanto a taxa mundial de suicídios caiu quase 10% entre 2010 e 2016, a taxa brasileira cresceu 28%, saltando de 4,7 para 6 suicídios a cada 100 mil pessoas, de 2007 a 2017. Para Dayse Miranda, “um instituto voltado à pesquisa, estudo e prevenção do suicídio em um período marcado por tantas perdas como o nosso é essencial do ponto de vista da demanda social. Ainda mais diante de um governo que não valoriza a ciência, é um grande desafio”.

A advogada Kátia Sodré, sócia fundadora e mãe enlutada pelo suicídio, conta que vê “o IPPES como um instituto que entra no cenário para preencher uma grande lacuna na formação de vários profissionais principalmente das áreas das ciências humanas e da saúde que necessitam de maior capacitação e informação na sua vida prática e diária sobre como lidar com fenômeno multifatorial do suicídio”. Ela também faz um balanço sobre as dificuldades que o Instituto enfrentou no decorrer do último ano:

“O primeiro ano do IPPES, representa a nossa resiliência diante de todas as dificuldades que nos foram apresentadas. Mudamos os planos, mas com muito trabalho árduo – e a cooperação de todas as coordenações, professores, colaboradores, associados etc. – o IPPES pode chegar há um ano com muito sucesso na prevenção do suicídio e na valorização da vida, levando para a sociedade o nosso lema ‘conhecer para prevenir’. Sou pessoalmente muito grata por fazer parte de tudo isso”, comenta a advogada.

Verônica Szuster, sócia fundadora e assistente social, avalia de forma positiva o primeiro ano do IPPES. Segundo ela, “o primeiro ano do IPPES trouxe para sociedade carioca e brasileira a proposta de se reunir num só ‘corpo’ a pesquisa e a intervenção social. Ou seja, a produção de conhecimento a partir de determinada realidade e a intervenção sobre ela”.

E vêm mais coisas por aí! O IPPES tem uma agenda grande de pesquisa e capacitação para 2021. São ações, cursos e eventos que visam sensibilizar e qualificar cada vez mais pessoas para a valorização da vida. “Seguimos no ano de 2021 com muitas metas, como os projetos de capacitação com instituições de segurança pública, publicaremos nosso Boletim, novos grupos de estudo estão se formando e já estamos para iniciar a segunda turma da Capacitação em Suicidologia e Políticas Públicas. Só temos a festejar e agradecer a todos os colaboradores que trabalham conosco e principalmente aos associados que têm nos ajudado a garantir a sustentabilidade do IPPES”, explica a presidente do IPPES.

Nada disso seria possível sem a confiança que todos vocês depositam sobre o trabalho do Instituto. O IPPES acredita que são os esforços somados de pessoas e instituições que podem construir uma sociedade mais saudável. E após esse produtivo ano e de superação, a equipe IPPES agradece a todos que acreditam na importância de valorizar a vida. Somos uma corrente de muitos. Que cresce e pretende crescer cada dia mais.